Sempre existimos

R$50,00

Com o objetivo de trazer a normalidade da existência de pessoas LGBTQIA+ para o centro do debate humanitário, Willian Peachazepi – diretor de arte, criou um projeto inspirado na contação de histórias e na representação artística de personagens LGBTQIA+ que influenciaram a História da Humanidade.
Foi assim que nasceu a proposta do livro “Sempre Existimos”, que pretende revelar a vida de pessoas importantes para o mundo, com um olhar para o seu íntimo.
Os contos flertam com a ficção e com a literatura. Inspirados em pesquisas históricas sobre os personagens e as imagens, trazem o olhar dos artistas da comunidade.
Com isso, mais do que um livro de narrativas produzidas com a linguagem singular de cada um, pretendemos utilizar nossos saberes e inspirações a serviço de pequenas microrrevoluções, fortalecendo um movimento que une a um só tempo resistência e criação.
A criação, objeto tão importante para o campo da comunicação, pode ser reinventada e canalizada para propósitos que vão além da comercialização, para de fato servirmos a projetos que têm potencial transformador das nossas necessidades concretas.
A resistência das narrativas, como nos ensina Ailton Krenak, está intrínseca ao ato de narrar, já que em cada nova história contada abriga uma força de adiar o fim do mundo.

Parceria com a Fourmi Publicidade e Marketing Integrado

Simulação de frete


SKU: 9786586039337 Categorias: , , ,

Descrição

Título: Sempre existimos
Projeto gráfico: Willian Cristian Peachazepi
Ilustração: Gabriela Santos Garbelotti e Willian Cristian Peachazepi
Texto: Thiago Monferdini Fernandes Silva
Pesquisa: Adriana Fagnani Petraglia

ISBN: 9786586039337
Edição: 1. Edição
Data de publicação: 2021
Número de páginas: 64

Informação adicional

Peso 0.300 kg
Dimensões 23 × 16 × 2 cm

Você também pode gostar de…

  • Brasil , Cultura

    Luiz Cecilio | O corpo recusado

    O corpo recusado é uma narrativa pessoal escrita em linguagem corajosa e direta. Aos 70 anos de idade, Luiz Cecilio revisita o duro caminho para assumir-se gay, tudo complicado por uma infecção pelo HIV no final da década de 1980. Ao desafiar o trocadilho “AIDS, essa porra mata” com seu grito de guerra “Não vou morrer dessa porra!”, ele se …